RC Arcos de Valdevez entregou viatura à Cáritas Interparoquial

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Notícias” da Fundação Rotária Portuguesa (FRP) divulga mais uma ação rotária enquadrada no âmbito do regulamento de candidatura a projetos de apoio da FRP. Trata-se do projeto “Aquisição veículo comercial – Cáritas Interparoquial de Arcos de Valdevez” que envolveu o Rotary Club de Arcos de Valdevez. Embora a iniciativa tenha sido concluída no anterior ano rotário, pelo interesse de que se revestiu para a comunidade de Arcos de Valdevez, conversámos com Pedro Miguel Sousa de Barros Pinto, que acompanhou a realização do projeto. Foi com este rotário que trocámos algumas impressões sobre esta ação que apoiou uma causa social na comunidade local.

 

Notícias (N.) – Que balanço faz o RC de Arcos de Valdevez dos projetos já realizados no âmbito do novo Regulamento de Candidatura a Projetos de Apoio à Fundação Rotária Portuguesa?
Pedro Miguel Pinto (P.M.P.) – Com o apoio da Fundação Rotária Portuguesa, o Clube de Arcos de Valdevez conseguiu apoiar algumas causas sociais neste concelho.


N. – Recentemente o clube concluiu o projeto que possibilitou entregar uma viatura comercial à Cáritas Interparoquial de Arcos de Valdevez. Que balanço faz desta vossa iniciativa, em particular?
P.M.P. – A iniciativa foi uma mais-valia para a Cáritas Interparoquial de Arcos de Valdevez, uma vez que permitiu otimizar a recolha e entrega de alimentos e outros bens as pessoas mais carenciadas e com dificuldades de acesso.


N. – Que benefícios trouxe à instituição a entrega desta viatura?
P.M.P. – A viatura veio possibilitar uma maior ligação entre a Cáritas e as pessoas carenciadas que a instituição apoia e que habitam em diferentes localidades do concelho de Arcos de Valdevez. A outro nível a viatura é determinante para a recolha de alimentos nos diferentes doadores e o seu encaminhamento para o “depósito” da Cáritas.


N. – Tratou-se da uma iniciativa ambiciosa. Para a concretizar o clube fez parcerias ou contou apenas com os fundos próprios e a envolvência dos elementos que integram o quadro social?
P.M.P. – A iniciativa foi participada por diferentes pessoas e instituições. A dinâmica desenvolvida considerou a envolvência dos elementos que integram o quadro social do clube, a instituição beneficiária e outras pessoas da sociedade civil que se associaram a este objetivo, de contribuir para a diminuição da pobreza no concelho de Arcos de Valdevez.


N. – Qual a reação da comunidade e, em particular, da instituição beneficiária ao saber desta intenção do RC Arcos de Valdevez?
P.M.P. – Tanto a instituição beneficiária como as pessoas da sociedade civil uniram esforços para este que este projeto se tornasse possível.


N. – Planos para o futuro. Continuar a desenvolver projetos nesta área? Ou abraçar outros?
P.M.P. – Pretendemos continuar a desenvolver projetos nesta área, na área ambiental e educacional.