Cerimónia marca o 58º aniversário da Fundação Rotária Portuguesa: Melhores alunos receberam Bolsa dos Fundadores

A cerimónia do 58.º aniversário a Fundação Rotária Portuguesa (FRP) – cujo primeiro Conselho de Administração reuniu a 19 de Abril de 1959 – juntou, no passado sábado, no Hotel D. Inês, em Coimbra, rotários de clubes oriundos de todo o país, bem como 10 alunos e 2 bolseiros, respetivos familiares e amigos.

A cerimónia integrou um momento cultural com a atuação de Mickael Salgado – distinguido com a Bolsa Ferreira da Silva – que interpretou três temas de fado do seu repertório: Fado Loucura, Fado Vitória e Lisboa Menina e Moça. O jovem invisual, natural de Paris, mas com residência em Portela (Tentúgal, Montemor-o-Velho), é estudante do Mestrado em Ensino de Canto da Escola Superior de Música de Lisboa, tendo obtido média de 16 valores no final do primeiro ano de frequência do curso.

 


No decorrer da sessão foram entregues aos jovens, considerados entre pares, como melhores alunos, as Bolsas dos Fundadores. Cada bolsa é constituída por quantia em dinheiro (500 euros), um diploma e o livro “Quadro de Honra” que reúne a história de cada um dos 10 fundadores da FRP, e dos dois instituidores dos prémios escolares que distinguem os dois melhores bolseiros da fundação (um de cada distrito rotário) bem como destaca o perfil dos estudantes que receberam as bolsas.

As Bolsas dos Fundadores constituem ainda uma homenagem aos 10 elementos que integraram o primeiro Conselho de Administração (1959) – Rafael da Silva, Augusto Serras, Avelino Manuel da Silva, Mendes d’Almeida, Ferreira da Silva, Teixeira Barroca, Mesquita Rodrigues, Santos Pardal, Ferreira Leite e Rodrigo Santiago. Esta iniciativa foi instituída pela FRP em 1996. Já a entrega das bolsas aos melhores bolseiros – Bolsa Teixeira Lopes e Bolsa Casal Melich – remonta a 1989.
 
Sorteados os clubes que atribuirão a Bolsa dos Fundadores em 2018
 
No seguimento da entrega do Prémio dos Fundadores da FRP realizou-se o sorteio, que dita quais os clubes que em 2017 irão atribuir os prémios. Do sorteio, que contou com a participação dos jovens distinguidos na sessão, saiu a seguinte lista: RC Valença; RC Lisboa-Benfica; RC Porto-Douro; RC Portela; RC Vila do Conde; RC Oliveira do Hospital; RC Valongo; RC Mirandela; RC Marco de Canaveses e RC Estarreja.
 
A Fundação Rotária Portuguesa é a “menina dos nossos olhos”
 
Armindo Carolino fez a evocação do 58.º aniversário da Fundação Rotária Portuguesa lembrando parte do texto escrito por Teixeira Barroca, lido e aprovado durante Conferência Rotária realizada na Figueira da Foz: “(…) Para tal fim seria criado no Distrito Rotário 65 um organismo que muito desejaríamos se denomina-se “Fundação Rotária Portuguesa”, de auxílio à juventude escolar”. E prosseguiu «isto significa que no dia em que nós ao comemorar a nossa Fundação Rotária Portuguesa e as suas origens nunca nos pudemos esquecer que os fundadores de uma maneira especial o autor desta proposta que é lida e aprovada em Conferência Rotária na Figueira da Foz em Maio de 1955, quis que se chamasse Fundação Rotária Portuguesa».

O vice-presidente da FRP frisou ainda com carinho que a «Fundação Rotária Portuguesa é o grande projecto do rotary nacional e que é mesmo “a menina dos nossos olhos”. E por muitas coisas que queiramos, por muitos problemas que tenhamos temos de olhar sempre no sentido de que a Fundação Rotária Portuguesa exige que cada rotário e cada rotária que tenha responsabilidades desde o Conselho de Curadores, Assembleia de Representantes, Conselho de Administração e porque não os administrativos que têm sido o grande suporte de todo o trabalho que ao longo destes anos tem sido feito, hoje uns, ontem outros, são na realidade a garantia de que a Fundação Rotária Portuguesa tem objectivos, sabe estar, está com os clubes e os clubes estão com a Fundação Rotária Portuguesa. E rotary pode atravessar crises, as instituições rotárias locais, nacionais ou internacionais podem de vez em quando abanar, mas as raízes essas permanecerão. E as raízes alicerçam em três coisas: companheirismo, dádiva e acção”, exemplificou.

A terminar Armindo Carolino deixou uma palavra de agradecimento aos clubes rotários, ao Rotaract, Interact, Rotary Kids, Casas da Amizade, Universidades Sénior de Rotary, lembrando que «toda a família rotária tem lugar na Fundação Rotária Portuguesa, que se sente mais enriquecida quando sabe que essa família rotária celebra com orgulho, com alegria, e de coração mais um aniversário».

Abílio Lopes encerrou a cerimónia partilhando a sua reflexão sobre a lição de vida que Mickael Salgado deu ao tornar uma dificuldade (o ser invisual), numa oportunidade, ao ser cantor de fado.

Alertou, deste modo, os rotários(as) presentes para a necessidade de «transformarmos as dificuldades que surgem no dia-a-dia numa oportunidade de sermos melhores e termos uma forma de relacionamento mais saudável, com menos conflitos».