71ª Conferência Distrital Distrito 1960 - Professor Doutor Pedro Viterbo - Palestra "Alterações Climatéricas, Desenvolvimento Sustentável do Planeta"

 

A sessão de trabalhos iniciou-se com uma palestra intitulada “Alterações Climatéricas, Desenvolvimento Sustentável do Planeta”, proferida pelo Professor Doutor Pedro Viterbo, do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Licenciado em Física pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Doutorado em Física pela mesma Universidade, na variante de Meteorologia, o orador desempenhou funções como assistente estagiário do departamento de Física da Faculdade de Ciências e do departamento de Matemática do Instituto Superior Técnico entre 1983 e 1986.

De 1986 até 2005, trabalhou como investigador e coordenador de uma equipa de modelação numérica e assimilação de dados de processos de interacção solo de vegetação atmosfera.

O Professor Doutor Pedro Viterbo exerce desde 2005 o cargo de Director do Departamento de Meteorologia e Geofísica do IPMA, sendo os seus principais temas de interesse científico a variabilidade climática, os processos hidrológicos, os solos, vegetação e atmosfera e ainda a previsão numérica do tempo.

Autor ou co-autor de 79 papers e 8 capítulos de livros, tem no seu currículo mais de 45 conferências internacionais, a orientação de três doutoramentos e a participação em diversos projectos financiados pela União Europeia.

O Professor Doutor Pedro Viterbo começou por fazer a apresentação de provas empíricas de que estamos de facto a viver alterações climatéricas, começando pelo aumento da temperatura, um processo que se iniciou em 1950 e que se mantém até hoje, registando-se 1,3 graus acima da linha dos 0 graus, sublinhando que o período compreendido entre 1983 e 2012 foi o período de 30 anos mais quente nos últimos 1400 anos, o que, na sua opinião, é assustador: “estamos num caminho irreversível e que não sabemos bem onde nos vai levar”, alertou.

Para além do aumento da temperatura da superfície terrestre, que causa naturalmente o aumento da temperatura do Oceano, há outros factos que merecem atenção, e um deles é o desaparecimento das calotes polares durante os meses de Agosto e Setembro durante os próximos 30 anos. Aliás, como referiu o palestrante, em Setembro de 2011 o desaparecimento da extensão de gelo no Ártico tornou quase possível fazer a circunvalação sem problemas, tendo sido a primeira vez que esta situação se verificou. Em termos estatísticos, nos últimos 50 anos o gelo oceânico do Ártico diminuiu em 40%, com especial incidência nos últimos 20 anos, e o gelo é extremamente importante porque, absorvendo pouca radiação solar, tem a capacidade de a reflectir.

O Professor Doutor Pedro Viterbo abordou ainda a questão do aumento do nível das águas, que vai provocar a insustentabilidade das costas, dos estuários naturais e das orlas sem falésias; da precipitação, que se prevê escassa nos próximos anos para a Península Ibérica, o que é preocupante, uma vez que a mesma não tem recursos hídricos suficientes e está em constante situação de seca, como aliás se tem ouvido recentemente nas notícias, sem esquecer as emissões de dióxido de carbono e a acidificação dos Oceanos.

Tendo todos estes aspectos em conta, o Professor Doutor Pedro Viterbo reforçou a ideia de que a ética e a responsabilidade de todos para o futuro é muito grande, porque mesmo que se alterem comportamentos, muitos aspectos das alterações climatéricas vão perdurar por anos, deixando uma reflexão: “o que estamos a fazer ao Planeta?”.