Fundação Rotária Portuguesa comemora 60º aniversário com foco no futuro

A Fundação Rotária Portuguesa (FRP) comemorou o 60.º Aniversário este sábado (7 de
dezembro) e paralelamente organizou o seu IV Congresso com objetivo de refletir sobre
o trabalho realizado e projetar-se como “Fundação para o Século XXI”.
Do programa da manhã destacou-se a realização do concerto da Orquestra Ligeira do
Exército, orientada pelo maestro Cândido Manuel Ameixa, espectáculo dirigido aos
rotários(as) de todo o país, bem como aos seus familiares e convidados, aberto também
à comunidade, e que contou com a presença do General Brigadeiro Carlos Matos Alves.
Antes deste espetáculo teve lugar a sessão de abertura com intervenções do presidente e
da vice-presidente do Conselho de Administração da FRP, respetivamente, Carvalhido
da Ponte (Governador do D. 1970) e Mara Duarte (Governadora do D. 1960); o
visionamento de um filme alusivo à comemoração do 60.º aniversário e intervenção de
José Coelho, presidente do Conselho Executivo, órgão que gere o dia-a-dia da FRP.
A encerrar a sessão de abertura visionamento da mensagem do Professor Doutor
Marcelo de Sousa, Presidente da República, uma surpresa que a Comissão Executiva
preparou para esta evento.
Ângelo Correia traçou panorama da sociedade através dos tempos
Após almoço oportunidade ainda para audição de duas peças de canto lírico a cargo da
soprano Rita Marques, 2.º Prémio (Bolsa de Estudo Cidade de Lisboa) e Prémio do
Público (Bolsa de Estudo Maria Antonieta Taveira), na 10.ª edição do Concurso de
Canto Lírico da FRP realizado em 2018.
No final desta intervenção Fernando Medeiros Sousa, mentor do concurso de Canto
Lírico da FRP e que há 11 anos participa ativamente na sua organização foi agraciado
por José Coelho, com um Diploma de Reconhecimento.
Seguiu-se um outro momento, muito esperado pelos rotários, a intervenção do eng.º
Ângelo Correia, cujo percurso académico e profissional, foi sintetizado por Armindo
Carolino, responsável pelo protocolo do encontro rotário.
Ângelo Correia apresentou uma intervenção com forte vinco sobre os antigos e atuais
valores da sociedade, fazendo uma “viagem” pelo mundo e também com foco na

Europa. Descreveu alguns conflitos que ao longo da história marcaram os povos, e a sua
evolução, quer política, quer económica. A recente crise que abalou Portugal e o Mundo
também foi alvo da sua análise, para terminar abordou a ação dos rotários nas suas
comunidades e o papel determinante que têm enquanto empreendedores e interventores
na sociedade.
A última parte do IV Congresso com o tema “FRP – Uma Fundação para o Século XXI
– Reflexão sobre a sua missão e a sua ação no movimento rotário em Portugal” foi
preenchida com a apresentação de comunicações de vários clubes, previamente
inscritos. A sessão abriu com intervenção do presidente do Conselho de Presidentes da
FRP, Luís Monteiro, que refletiu sobre o futuro da instituição.