Projeto contou com apoio da Fundação Rotária Portuguesa: Rotaract Club de V.N. de Famalicão contribui para o bem-estar dos alunos do Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco

O Rotaract Club de Vila Nova de Famalicão (RCVNF ) deu por concluído mais um projeto de intervenção na comunidade. Desta vez o clube de jovens envidou esforços para equipar com uma cadeira adaptada de posicionamento “Gravity Chair” o Departamento de Multideficiência do Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco, em Vila Nova de Famalicão.

A doação da cadeira teve lugar, recentemente, coincidindo com a visita oficial ao clube de Isabel Rodrigues, Representante Distrital D1970. O programa da visita integrou uma reunião de trabalho na Casa da Juventude da cidade nortenha, que contou com a participação, entre outros, de Rafael Pereira, presidente do Rotaract Club de Vila Nova de Famalicão (que falou ao ‘Notícias’ sobre o projeto, ver entrevista); António Gomes, presidente do Rotary Club de Vila Nova de Famalicão, bem como de elementos do clube e do Rotary patrocinador, Rotaract Club do Porto e Rotaract Club de Santo Tirso.

O ponto alto da visita teve lugar no Departamento de Multideficiência do Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco, com a doação da cadeira adaptada de posicionamento “Gravity Chair”, iniciativa que contou com o apoio da Fundação Rotária Portuguesa.

A sala do departamento é frequentada por sete alunos, dos quais seis são completamente dependentes a nível motor, entre outras limitações. Segundo o RCVNF os jovens «utilizam a cadeira de rodas diariamente e a existência da cadeira de posicionamento será útil para conseguirem obter um melhor e confortável posicionamento durante mais tempo».

A comitiva rotária foi recebida «calorosamente por alunos que integram a sala de multideficiência, assim como pais, professores, terapeuta da fala, auxiliares, entre outros profissionais extremamente dedicados a esta causa tão nobre. O contentamento de todos pela doação da cadeira foi evidente e ainda houve espaço para um miminho por parte dos professores e pais» que ofereceram um lanche a todos os presentes.

 

Entrevista a Rafael Pereira

 

Estamos sempre atentos para situações
que mereçam a nossa atenção e o nosso apoio”

 

A propósito da conclusão do último projeto ‘Notícias’ da Fundação Rotária Portuguesa conversou com o jovem rotaractista Rafael Pereira, a propósito desta ação, bem como sobre os novos projetos que o clube tem intenção de realizar.

 

Notícias (N.) – Como surgiu a ideia de equipar o Departamento de Multideficiência do Agrupamento de Escolas de Camilo Castelo Branco, em Vila Nova de Famalicão, com uma cadeira adaptada de posicionamento "Gravity Chair"?
Rafael Pereira (R.P.) – Este projeto surgiu através de um contacto feito com a companheira Vera Faria, a qual foi alertada para a situação. Foi-lhe explicado que o Departamento de Multideficiência tinha ao seu cuidado 7 crianças com necessidade de apoio especializado e que apenas dispunha de uma Cadeira de Posicionamento “Gravity Chair”, que era partilhada por todas. Por sua vez, a Vera Faria, falou com todos os elementos do clube que decidiram, dado o elevado valor do equipamento, apresentar um projeto para ser realizado em parceria com a FRP. Submetemos o projeto para avaliação e, felizmente, foi aceite.

N. – Foi difícil implementar a candidatura do projeto junto da Fundação Rotária Portuguesa?
R.P. – Não. O Rotaract Club de Vila Nova de Famalicão tem já por hábito submeter dois projetos por ano junto da FRP, aquando da abertura de candidaturas em setembro e em fevereiro. Dessa forma, e como já não é novidade, estamos sempre atentos para que as nossas candidaturas sigam dentro da normalidade. Felizmente temos visto os nossos pedidos atendidos o que nos permite concretizar projetos que, sozinhos, não teríamos capacidade de suportar.

N. – De que forma é que a comunidade escolar acolheu esta iniciativa dos
jovens do Rotaract Club de Famalicão?

R.P. – A comunidade escolar, na pessoa da professora Francelina Viana e da professora Maria Torres, ficou extremamente contente e sensibilizada com o nosso contacto e o nosso interesse em concretizar este projeto. Na fase preliminar, tive oportunidade de reunir com ambas no Departamento e foi-me então explicado o funcionamento do mesmo e o tipo de apoio que era prestado diariamente a estas crianças. Dos diversos equipamentos que constituíam a sala, a cadeira de posicionamento era realmente de grande importância e apenas havia uma que servia todas as crianças. Dessa forma, a cadeira tinha de ser partilhada à vez para que todos pudessem usufruir dela.

No dia da entrega da cadeira, que teve lugar aquando da Visita Oficial da Representante Distrital a Famalicão, a presença no Departamento de professores, pais e alunos mostrou bem o quão agradecidos ficaram com esta doação. Foi, sem dúvida, um dia especial para o Departamento e ficámos muito contentes pela forma como fomos recebidos.

N. – Qual a mais-valia da doação desta cadeira junto dos sete jovens que dela vão usufruir?
R.P. – A aquisição desta cadeira de posicionamento vai permitir alargar o número de equipamentos de que as crianças dispõem. Visto que passam grande parte do dia no Departamento, esta cadeira é essencial para o conforto e correto posicionamento das crianças que tem reduzida ou nenhuma mobilidade. Estamos a falar, portanto, do bem-estar diário delas.

N. – Novas ideias, novos projetos na calha para serem implementados pelos jovens?
R.P. – Sim, já temos alguns projetos planeados para o decorrer deste ano rotário os quais queremos ver implementados. Para além disso, durante o ano vão sempre chegando até nós pedidos de colaboração e apoio para determinadas situações. Não posso deixar de salientar os diversos pedidos de colaboração que nos têm sido feitos pelos organismos da Câmara Municipal, ao qual tentamos sempre atender. Temos tido boas relações por exemplo com a Loja Social e a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens, o que nos deixa muito satisfeitos.
Estamos sempre atentos no seio da nossa comunidade para situações que mereçam a nossa atenção e o nosso apoio. Em Famalicão temos uma tradição de desenvolver, maioritariamente, projetos de cariz social e queremos continuar a fazê-lo, dentro das nossas possibilidades. Daí que a FRP seja sempre um parceiro essencial e valioso para nós.

N. – Que conselho(s) dá aos outros jovens para poderem concretizar as suas
ideias/projetos junto das suas comunidades?
R.P. –
O conselho que posso dar é que sejam interessados e participativos. É importante estarmos atentos ao mundo que nos rodeia e sabermos dirigir a nossa ação para causas com as quais nos identificamos. Há ainda muitos assuntos da sociedade civil sobre os quais é preciso discutir e agir, e os jovens não se podem alienar disso. É o futuro deles que está em causa. E há sempre plataformas, seja o Rotaract ou qualquer outra associação juvenil, onde podemos potencializar a nossa ação.